Isso é mais do que um convite para um show de uma hora com coreografias, luz e som. É uma convocação para que sinta o que sentimos, vi...

É na Batida estreia dia 23/11 na Galeria Olido



Isso é mais do que um convite para um show de uma hora com coreografias, luz e som. É uma convocação para que sinta o que sentimos, vivencie o que vivemos e entenda um pouco da nossa história Na Batida.

Após meses de pesquisas, oficinas e construção gostaríamos de dividir com vocês um pouco da nossa visão do mundo através daquilo que mais nos é caro, nossa dança!

Se liga na programação e escolha o melhor dia, ou venha em todos. É de graça e livre para todas as idades. Brota Geraaaaaal:

"É no beat, é no feeling, é na batida. Como começou lá no Bronx, como foi aqui: você ouve o ritmo, o movimento começa". A relação musical com o movimento das danças de rua, a percepção desse sentimento que quanto mais sincero acontecer no passo, mais encaixado ele fica, marca o início da trajetória investigativa do espetáculo “É na Batida”. Tanto nos duelos, quantos nos bailes; nos solos ou nos bondes; o espetáculo reúne narrativas e vivências dos dançarinos nas favelas paulistas e cariocas e as relaciona junto aos enfrentamentos atuais das danças urbanas dentro e fora das periferias.

Com 8 dançarinos em cena, o espetáculo alterna composições de solos e duelos, que encontra na Dança da Lagartixa (dança de origem tipicamente paulista); no Passinho, (oriundo das favelas cariocas); no break dance (vindo de Nova Yorque), a possibilidade de desenvolvimento de uma coreografia dinâmica e de improviso, que se desdobra junto aos beats do DJ Seduty do funk carioca no palco.

“É na batida” parte essencialmente dessa realidade das danças urbanas: absorver e incorporar características de outras danças - samba, frevo, hip hop - disposta num vir a ser incessante de incorporação, recusa e assimilação de movimentos. É no resgate dos duelos, das vestimentas, na recordação dos bailes, na atualização das gírias, que o espetáculo arrisca imprimir uma nova linguagem em cena, acreditando ser esta uma tentativa de resposta e resistência, ao mostrar que a dança urbana está em constante transformação e não imobilizada no tempo.

Criado a partir do fomento do Proac Icms, com patrocínio do O Boticário na Dança, o espetáculo foi resultado de oficinas e ocupações realizadas nas periferias da zona norte de São Paulo e pesquisas nas favelas cariocas.

Temporada Dança - Galeria Olido – Sala Paissandu:
Avenida São João, 473 – SP 
Novembro de 2017
dias 23, 24, 25, 26 e 30
Quinta, Sexta e Sábado às 20h
Domingo às 19h
Dezembro de 2017
dias 1 e 2 às 20h, dia 3 às 19h

Temporada CASA PALCO:
Rua 13 de maio, 240 - SP 
Dezembro de 2017
dias 9 e 10 sábado e domingo às 20h
dia 16, às 20h - Como desdobramento final deste projeto convidamos o cineasta e cientista social Emílio Domingos para exibir o documentário A Batalha do Passinho - O Filme e mediar um bate papo sobre a evolução cultural desta dança com a presença do dançarino Jefferson Chaves Do Passinho. 
_______________________________________________________________________________

FICHA TÉCNICA

Elenco:
Michel Quebradeira Pura

Direção geral e coreográfica:

Direção de movimento:

Dramaturgia:
Tata Coutinho

Trilha:
Dj Seduty
Letra “Enquanto a batida rolar":Mamuti011 - Interativersos

Desenho de luz:

Projeção Visual:
Rodrigo Faustini

Som:
Daniel Martins

Direção de produção:

Coordenadora administrativa:

Operacional e montagem:

Registro de fotografia e vídeo:
Coisa Simples Produções

Convidados: 

Oficineiros:
Celly Idd – Passinho
Ivo Alcântara – Lagartixa
Jackson Carvalho – Passinho
Vinicios Silva – Breaking


PRODUÇÃO
Naturarte

PATROCÍNIO
O Boticário na Dança

REALIZAÇÃO
Governo do Estado de São Paulo

APOIO INSTITUCIONAL
POIESIS | Organização Social de Cultura
Fábricas de Cultura
Centro Cultural da Juventude Ruth Cardoso
Centro Cultural Olido
Cooperativa Paulista de Dança
Secretaria Municipal de Cultura da Prefeitura de São Paulo

PARCEIROS
Osmoze Filmes
La Figueira
Casa Palco


0 comentários: